domingo, 17 de agosto de 2008

Anjos de guarda; Espíritos protetores, familiares ou simpáticos



489 Há Espíritos que se ligam a um indivíduo em particular para protegê-lo?

– Sim, o irmão espiritual; é o que chamais de bom Espírito ou bom gênio.

490 O que se deve entender por anjo de guarda?

– O Espírito protetor de uma ordem elevada.

491 Qual é a missão do Espírito protetor?

– A de um pai para com seus filhos: conduzir seu protegido ao bom caminho, ajudá-lo com seus conselhos, consolá-lo em suas aflições, sustentar sua coragem nas provas da vida."

O Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Parte Segunda – Capítulo 9
Imtervenção dos espíritos no mundo corporal


Hoje resolvi escrever sobre proteção divina, mas especificamente a respeito de espíritos simpatizantes que nos acompanham em muitas jornadas. Anjos da guarda, espíritos que nada têm de mitológico, ao contrário estão constantemente presentes em nossas vidas.

Diante de situações adversas, costumamos questionar quanto a existência de algum tipo de proteção divina. Normalmente nos queixamos quanto a falta de sorte. "Eu não devo ser filho de Deus" é o primeiro pensamento que surge a mente... Mal sabemos que muitas dessas situações poderiam ter um desenlace muito pior, não houvesse ocorrido a intervenção de um espírito simpatizante e/ou protetor.

Também é comum maldizer a sorte diante de um acontecimento que não satisfaça os nossos caprichos. Quando planejamos algo, desejamos ardentemente e o desfecho não se desenvolve da forma esperada, ocorre da mesma forma o questionamento quanto a interferência divina. Na verdade, o que ocorre é para nossa proteção. Talvez não fosse o momento ou algo melhor surgirá mais adiante.

Assim, antes de reclamar de algo que não aconteceu da forma esperada, ou ante um infortúnio, devemos nos questionar qual lição devemos levar dessa fase da vida e agradecer a proteção desses seres tão especiais...


“Santo Anjo do Senhor,
meu zeloso guardador,
se a ti me confiou,
a piedade divina,
sempre me rege,
me guarda,
me governa,
me ilumina.
Amém.”




Eu sei que está é uma oração católica, mas ela é de uma beleza tão singela que não pude deixar de trazê-la neste post. Resume de uma forma pura o amor que devemos ter a esses espíritos.

Fiquem todos com Deus!


5 comentários:

Bete Cruz disse...

Olá! Cris!
Estava navegando em busca de subsídios para realizar uma palestra sobre Francisco de Assis, no centro espírita em que trabalho e encontro um blog tão singular quanto este. Gostei!
Espero que vc atualize o mesmo e que outras pessoas interessadas na doutrina dos espíritos possam enriquecer este "pequeno" e rico espaço.
A propósito, quando o apóstolo Paulo diz em suas epístolas " examinai de tudo e retende o que for útil", significa que a oração do anjo da guarda que vc descreve como "mesmo sendo católica", nos faz ficar mais perto de anjos protetores, criados por Deus para nos auxiliar em nossas necessidades.
Deus te abençoe e te fortaleça o espírito nas lutas do aprendizado.

Renato disse...

Bom dia querida Cris as orações são universais, o plantiu é livre a colheita obrigatória, se é bom para mim tambem será bom para meu irmão observe com detalhes a oração de São Francisco que fez never em 04 de outubro, (todo encarnado tem seu anjo da guarda e espiritos simpatizantes e protetores nada é por acaso) muitas vezes nós mesmo somos anjos, quando praticamos o amor, a umildade e acaridade. um abrsço

cris disse...

Agradeço a participação de vcs...
Só lembro que para que eu possa retribuir a visita de vcs é necessário que o perfil esteja com a visualização ativada.
Fiquem todos com Deus!

aagspa disse...

- Como posso continuar considerando o mundo real se o “EU” que esta fazendo com seja real, é intangível? ( dvd, quem somos nós?).
Agora pergunto: mulher com sabedoria, o Deus interior a que se refere, é o “eu” interior? E mais, o Deus interior seria a consciência que habita o térno corporal biológico? Se a resposta for afirmativa; Onde está o “amor”, em face a esta prisão biológica?

cris disse...

Aagspa, agradeço sua visita ao meu blog. Seja bem vindo!
Quanto a suas dúvidas, vou expor meu ponto de vista, que talvez não seja a verdade que vc procura... Mas vamos lá.
Acredito que o "Deus interior" que muitos místicos falam trata-se na verdade da nossa consciência, ou como vc diz o "eu interior". Creio que este todo é formado por muitas partes, como nossas vivências, emoções, memórias, dessa e de outras vidas... E ele é tangível sim, na medida em que faz parte do nosso todo. Ele nos compõe. É o que nos dá vida, nos move.
Compreendo sua angústia com relação a prisão corpórea. Muitas vezes me senti dessa forma. São questionamentos que fazem parte do crescimento espiritual. "De onde viemos?", "para onde vamos?", "qual a razão da existência terrena?". São tantas dúvidas, mas elas nos ajudam a crescer.
Em relação "ao amor em face a esta prisão biológica", aconselho a refletir sobre o Capítulo IV do "Evangelho Segundo o Espiritismo". No item que fala da necessidade da reencarnação existe a seguinte pergunta:
"25. É um castigo a encarnação e somente os Espíritos culpados estão sujeitos a sofrê-la?
A passagem dos Espíritos pela vida corporal é necessária para que eles possam cumprir, por meio de uma ação material, os desígnios cuja execução Deus lhes confia. É-lhes necessária, a bem deles, visto que a atividade que são obrigados a exercer lhes auxilia o desenvolvimento da inteligência. Sendo soberanamente justo, Deus tem de distribuir tudo igualmente por todos os seus filhos; assim é que estabeleceu para todos o mesmo ponto de partida, a mesma aptidão, as mesmas obrigações a cumprir e a mesma liberdade de proceder. Qualquer privilégio seria uma preferência, uma injustiça. Mas, a encarnação para todos os Espíritos, é apenas um estado transitório. E uma tarefa que Deus lhes impõe, quando iniciam a vida, como primeira experiência do uso que farão do livre-arbítrio. Os que desempenham com zelo essa tarefa transpõem rapidamente e menos penosamente os primeiros graus da iniciação e mais cedo gozam do fruto de seus labores. Os que, ao contrário, usam mal da liberdade que Deus lhes concede retardam a sua marcha e, tal seja a obstinação que demonstrem, podem prolongar indefinidamente a necessidade da reencarnação e é quando se torna um castigo. - S. Luís. (Paris, 1859.)"

Não sou uma mulher de sabedoria, mas espero ter te ajudado a dar o 1º passo em busca da sua verdade.

Fique com Deus!